Exibição do filme “Acampamento Marcelino Chiarello: A terra que alimenta a resistência”

No dia 12 de dezembro, próxima terça feira, será exibido o documentário “Acampamento Marcelino Chiarello: A terra que alimenta a resistência”.

O filme, retrata a construção do acampamento Marcelino Chiarello, localizado entre os municípios de Xanxerê e Faxinal dos Guedes. O documentário foi produzido na região considerado berço do MST em Santa Catarina, um marco histórico do maior movimento social da América Latina. O objetivo dessa produção é trazer a narrativa na fase embrionária do acampamento, 31 anos depois da primeira ocupação no estado. A partir do processo de construção, o documentário retrata, sem olhares etnocêntricos, as condições de vida, ideais, relação de trabalho e a forma como esses trabalhadores rurais reivindicam as terras para produzir e viver.

Direção: Amanda Ferronato, Angélica Dezem, Darlei Luan Lottermann, Jaqueline Dutra Kornfüehrer, Maria Joana Weber Giareton e Marina Folle Schielke
Orientação: Ilka Margot Goldschmidt Vitorino
Realização: Laboratório de TV e Cinema – Unochapecó

– Após a exibição será aberto espaço para conversa e discussão, abordando o despejo violento vivido pela comunidade no último dia 29.

Segue a matéria
“No dia 29 de novimebro, as 180 famílias que viviam no acampamento há quase dois anos, foram despejadas, com uma ação da Polícia Militar, com tropa de choque e cavalaria, cumprindo a liminar da juíza da 1ª Vara de Chapecó.

Mas, as famílias Sem Terra despejadas do Acampamento Marcelino Chiarello seguem resistindo. Organizadas solidariamente no ginásio de Faxinal dos Guedes/SC, mas também articulados para dialogar desde com prefeitura até com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) Nacional. O MST organizou neste dia 1 ato em solidariedade as famílias.

A área ocupada pelas famílias é pública, do Incra. Na década de 1980, o Estado Brasileiro expulsou os agricultores que moravam ali e repassou as terras para o fazendeiro, mas para o título da terra ser dele era preciso pagar e ele nunca o fez. Por isso, as terras voltaram a ser propriedade do Incra. “Por este motivo as famílias ocuparam a área. Mesmo assim, a juíza mandou despejar as famílias Sem Terra, sem oficializar a ordem com antecedência e sem dar o direito de defesa judicialmente”, afirma Vilson Santin, da direção do MST.”

Reportagem na íntegra: http://www.mst.org.br/2017/12/03/em-santa-catarina-acampamento-marcelino-chiarello-resiste.html

Link do evento para mais informações: https://www.facebook.com/events/130989997679161/

capa

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *